Mulheres Transformando o Futuro da Construção

Atualizado: 6 de abr.


Créditos: Acervo BFB


Na terça-feira (29/03), em comemoração ao mês das mulheres, o BIM Fórum Brasil e a Graphisoft Brasil promoveram um evento em reconhecimento às importantes contribuições femininas nos avanços para a digitalização do setor da construção.


Prof. ª Dra. Regina Ruschel, Coordenadora Geral do Comitê Científico e Técnico do BFB e Célia Matsuda, Costumer Success Specialist da Graphisoft, moderaram o evento que contou com a participação das convidadas: Alba Pires, Diretoria de Inovação, Processos e Marketing da Concremat; Anelise Caminha, Arquiteta da Oike Arquitetos Associados e Vice-Presidente da ASBEA-CE; Cristiana Maria Sobrl Griz, Prof.ª Associada do Depto. de Expressão Gráfica da UFPE; Dielen David, Analista de Orçamentos SR da Rôgga; e Raissa Bahia, Sócia Diretora Executiva da Spol.


Regina Ruschel, iniciou o evento ressaltando “É sempre oportuno e necessário conversarmos sobre ações que buscam o equilíbrio. A pluraridade, inclusão social, sustentabilidade, acessibilidade, são todos os movimentos que buscam o equilíbrio na nossa sociedade, pela proteção dos marginalizados ou subtraídos, pessoas ou ambiente. A estes movimentos incluímos a igualdade de gênero nas engenharias, arquitetura e urbanismo, ação requerida em nossa prática. O equilíbrio requer redistribuição, a revisão de conceitos e valores, por isso é importante compartilhar histórias daqueles que transformam, para construir e aproximar compreensões”.


As convidadas foram então questionadas: “Qual a sua contribuição na digitalização da arquitetura e construção e como o fator feminino impactou esta contribuição, positiva e negativamente?”


Cristiana Maria Sobrl Griz falou sobre grandes esforços de transformação no ensino, o que é difícil de fazer, e revelou sua inspiração em um exemplo feminino da área. Foram dados exemplos de contribuição na Orçamentação e na área dos Gêmeos Digitais, nas falas da atuação prática de Alba Pires e Dielen David. Raissa Bahia e Anelise Caminha se mostraram exemplos do empreendedorismo feminino, buscando seu espaço e a conversa globalizada. O lado feminino foi revelado na inquietação, no reinventar, na busca pela mudança, na empatia, visão holística, abertura para liberdade, na oferta da igualdade, presentes nas falas das participantes.


Célia Matsuda continuou o debate fazendo a segunda pergunta às participantes: “Como valorizar a igualdade de gênero na arquitetura e na construção?”


Destacamos a fala de Dielen David: “Todas ações, trocas, no meio acadêmico, corporativo, o que estamos fazendo aqui hoje, essa rodada de conversa, ajuda a criarmos um ambiente onde o conhecimento é disseminado e através destas informações conseguimos cada vez mais avançar com a internalização da igualdade. Essas trocas são genuínas e isso está muito ligado à colaboração, um dos fundamentos do BIM, então utilizemos a colaboração não só no ambiente técnico, mas em todas as interações humanas”.


Para conferir as respostas e o debate riquíssimo que transcorreu, acesse o evento na íntegra no nosso canal do YouTube: https://lnkd.in/d5KR5WVv